Saúde
Entender para saber cuidar

Entender para saber cuidar

Segunda-feira é Dia dos Especialistas, a Daniela Magno, enfermeira e especialista no estudo da velhice, nos conta os segredos.  Esta coluna  procura entender melhor o idoso que convive com você e com seus filhos, seja na sua casa, no seu bairro. E repensa sobre as atitudes, sobre a forma como nós vemos, tratamos, interpretamos a terceira idade .

Por Dani Magno

A vida me ensinou que cuidar é sim uma arte, que mesmo não sendo para muitos um dom, ela pode e deve ser aprendida por todos.  Historicamente, as mulheres nasceram sim com essa arte para cuidar, principalmente as mulheres das gerações passadas, elas cresceram cuidando da casa, dos irmãos, posteriormente dos filhos, marido, netos entre outros. Mas, a verdade é que nossa sociedade e os padrões em que somos submetidos mudaram drasticamente. Atualmente, a mulher moderna passa grande parte de seu tempo se dedicando a sua profissão, e em muitos casos a função de cuidar acabou sendo delegada a outros. E, na maioria das vezes nos vemos sem tempo para cuidar daqueles que tanto se dedicaram a nós, os nossos pais, avós…

No Brasil, principalmente nas grandes capitais nota-se, uma transformação crescente da família nuclear (mãe, pai, filhos) para a família distendida (mãe, pai, filhos, parentes e amigos). Dessa forma, nos deparamos com grande índice de idosos vivendo com seus familiares (filho, nora/genro, netos, bisnetos etc.).  A estatística desse modelo de família tende a aumentar como reflexo da transição demográfica.

O fato, é que devido a tantas transformações, o idoso acaba por perder a posição de comando e decisão que estava acostumado a exercer e as relações entre pais e filhos modificam-se. Consequentemente as pessoas idosas tornam-se cada vez mais dependentes e uma reversão de papéis estabelece-se, os filhos geralmente passam a ter responsabilidade pelos pais, principalmente quando estes são acometidos por alguma doença.

Essa mudança de papéis e funções familiares pode acarretar diversos problemas e situações angustiantes e estressantes no contexto familiar. Saber quem será o cuidador principal, o porquê da escolha e da função e seu papel no sistema familiar, e principalmente, saber entender e lidar com o idoso, são tarefas de extrema importância para manter a harmonia familiar e oferecer a eles um cuidado mais humanizado.

Quando digo que é preciso entender para saber cuidar, não quero que pensem que para cuidar de um idoso é preciso se aprofundar em estudos ou cursos especiais, o conhecimento é fundamental sim, mas, cuidar não é tão complexo como parece, e nem um processo mecânico. Cuidar é uma arte, é a arte de saber viver e conviver com o outro, de saber interpretar as necessidades básicas de que outro precisa, é saber respeitar o seu espaço,  suas limitações, suas crenças e valores, é acreditar que com um gesto, um toque, uma palavra você pode fazer a diferença na vida dele.

E para começar bem a semana fica a dica: Procure entender melhor o idoso que convive com você, seja na sua casa, no seu bairro. E repense sobre suas atitudes, sobre a forma como você o vê, o trata, o interpreta.

Compartilhe!

Pesquisar